Arquivo da categoria: mídia

Ignorância é força

Desde o fim da II Grande Guerra até a queda do Muro de Berlim, o mundo viveu sob o constante medo da Guerra Fria: duas potências, cada qual a seu lado, impondo à força sua visão de mundo. O futebol não ficou alheio a isso: tratado como amador nos países do bloco socialista, rendeu medalhas de ouro a estes em todos os Jogos Olímpicos de 1952 a 1980, já que entravam na disputa com suas seleções principais enquanto o resto do mundo enviava apenas, como mandava a regra, amadores. A história das Copas do Mundo também tem seus capítulos: da Copa da Suíça em 1954, em que Brasil x Hungria fizeram o duelo capitalismo x comunismo com vitória húngara, “xingamentos” de comunista da delegação brasileira ao juiz inglês e batalha campal após cusparada de um jogador magiar em um atleta canarinho, à Copa de 1974, quando a URSS se recusou a jogar uma repescagem contra o Chile de Pinochet e ficou de fora da disputa, passando por 1966 e o gol do inglês Hurst na final contra a Alemanha em que a bola não ultrapassa a linha e o bandeira do Azerbaijão – ex-república soviética – valida o lance e por 1970 e o gol do Uruguai contra a URSS em que um jogador sul-americano cruza uma bola que havia saído mais de metro, a zaga soviética pára e o time uruguaio marca com a conivência de juiz e bandeira – entre outros episódios.

Com o fim da Cortina de Ferro e da Guerra Fria, o mundo ficou definitivamente sob a égide do capital. O futebol não seguiu caminho diferente. A disputa simbólica capitalismo x comunismo acabou relegada ao folclore no esporte, agora regido pelas duras regras de sua entidade máxima, a toda poderosa Fifa. Até que a Coreia do Norte, “resquício” do mundo bipolar e sob uma ditadura política que impõe feroz censura à imprensa – categoria cada vez mais protagonista de um mundo cada vez mais midiático -, resolve voltar à cena e se classifica para a Copa de 2010.

Vivemos o século XXI e o senso comum diz ser inadmissível um governo privar seus cidadãos da “verdade”, representada pela enxurrada de informações capitaneada principalmente pela internet. Críticas são feitas ao bloqueio à rede mundial de computadores no Irã e na China. Pede-se a cabeça de Hugo Chávez quando este fecha o canal de televisão mais poderoso da Venezuela. E, como era de se esperar, brada-se contra o governo norte-coreano ao se ter a notícia de que os jogos de sua seleção não seriam televisionados ao vivo, apenas reprisados caso o país tenha feito um bom jogo. “Inimigos da democracia”, “assassinos da liberdade” e muitos outros epítetos de mesma estirpe ecoam pelos quatro cantos do planeta. O mundo do futebol, que não guarda com muito carinho as alianças entre ditadores e esporte (Mussolini em 34, Vargas em 50, Videla em 78, pra ficar só  nos exemplos mais explícitos), tem na Coreia do Norte um revival da Guerra Fria. Numa época em que o ideário do consumo venceu, ser impedido de consumir a Copa é impensável para a democracia ocidental.

A Coreia do Norte, então, passa a ser o bode expiatório, o idiota útil da vez. Aquele que faz esquecer que Honduras, que também está na Copa, vive sob um golpe militar recém-aplicado, por exemplo. E os jogos da seleção asiática adquirem um estranho interesse.

No primeiro, derrota para o Brasil por 2 a 1. Derrota digna, uma vez que enfrentam a maior campeã do torneio de todos os tempos. Mas que não faz com que o mundo virtual deixe de brincar com os melhores momentos que supostamente seriam exibidos na parte norte da península coreana:

http://video.portalcab.com/?play=brasil_vs_coreia_do_norte_editado

Na segunda partida, 7 a 0 para Portugal, e “rumores”, ecoados por reconhecidos comentaristas políticos (de direita, claro) de que os jogadores seriam enviados para minas de carvão ao voltar para casa. Sem falar no alarde de possíveis deserções com consequências graves para as famílias dos desertores.

A terceira partida acaba ficando sem muita atenção, uma vez que a equipe já não tem mais chances de avançar, e o assunto Coreia do Norte é encerrado nas redações de jornais na África do Sul.

A Copa, porém, continua, e se encontra nas oitavas de final. Jogam Alemanha e Inglaterra. Os germânicos vencem por 2 a 1 quando Lampard chuta por cobertura. A bola acerta o travessão e ultrapassa – e muito – a linha do gol. Mas a arbitragem não vê e o jogo segue. O episódio Hurst-66 volta a ser lembrado.

Mais tarde, a Argentina enfrenta o México, e Carlos Tevez abre o placar para os sul-americanos em completo impedimento. A arbitragem outra vez não vê, mas o telão do estádio, que supostamente só deveria passar os lances livres de polêmica, exibe o gol para todos, incluindo o bandeira e os mexicanos. O árbitro consulta o bandeira mas, com medo de ser punido por anular um gol graças ao auxílio do telão, confirma o tento, para desespero da seleção – e da mídia – mexicana.

Nas redações, o poder do fetiche da informação é tão grande que se clama aos quatro ventos por duas coisas: ou se usa o auxílio tecnológico de uma vez, coisa que – nesse momento conveniente – a “reacionária” Fifa não permite, ou NÃO SE EXIBE lance algum no telão.

Pior acontece no site da entidade máxima do futebol. Os relatos dos dois jogos simplesmente omitem os fatos. No primeiro jogo, a bola inglesa apenas tocou o travessão. No segundo, Tevez abriu o marcador e foi tudo normal.

Isso mesmo: a censura, uma vez que não norte-coreana, é permitida e DESEJADA. Porque – diz-se ingenuamente – não é política. É para o bem do espetáculo – no caso do telão – e dos negócios – no caso do site. O todo poderoso mundo do capital futebolístico se vê encurralado. A Fifa ou admite que o jogo é humano e há erros ou admite o uso de tecnologia e tira o lado humano do jogo, torna-o mais lento – já que a cada consulta ao VT o jogo precisa parar, como no futebol americano – e menos interessante para seus principais compradores, os veículos midiáticos.

Não há, entretanto, menção alguma nas redações mundo afora à contradição explicitamente escancarada. O futebol está exposto: jogo ou negócio? Se for jogo, não faz sentido tanta atenção e tando dinheiro para “corrigir os erros humanos”. Se for negócio, há que se pensar uma solução para fazer passar a polêmica como parte do jogo, quando ela é na verdade necessária para atrair mais consumidores – todo mundo, mesmo quem não entende das regras, quer ver o absurdo gol inglês que não foi dado. Mais: o capital está exposto enquanto projeto político-ideológico que precisa da mentira da propaganda para sobreviver. O comercial de hambúrguer não pode dizer que comendo-o você correrá riscos de saúde. A Copa da Fifa, cujo slogan é o fair play, não pode deixar claro que você está pagando para ver um “espetáculo” que pode ser fraudado – voluntária ou involuntariamente – exatamente porque é humano. Um espetáculo que por vezes é injusto. Admitir que futebol não é pra ser justo é tirar toda a vestimenta de jogo democrático e igual para todos que serve para mascarar o enorme abismo entre times e jogadores trilionários que usufruem dos privilégios do jogo-espetáculo-negócio às custas de times e jogadores pobres utilizados como laboratório para novos “craques” – novos negócios.

“Ignorância é força”, dizia George Orwell em seu 1984. Os norte-coreanos seguem a citação à risca. O capital também. Ou há alguma diferença entre omitir fatos num país sob uma ditadura política e omitir fatos num mundo sob uma ditadura econômica?

O replay está para a Fifa como a cruz está para o vampiro. E ambos sugam nosso sangue – embora o segundo apenas no sentido figurado.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em mídia, sociedade

Basílio lá em casa

Achei a reportagem em que levaram o Basílio na minha casa. Mostram meus bichos (Preta, Branca e Boquita), falam das cinzas de meu pai que joguei no Pacaembu e depois ele aparece de surpresa lá.

Tem também um cara que tatuou o Túlio Maravilha (e levaram o Túlio no estúdio de surpresa enquanto ele tatuava) e outro que tatuou o Rogério Ceni.

E tem ainda um que ia tatuar o Fernandão mas desistiu porque ele foi pro Goiás, hahaha.

Vejam:

Deixe um comentário

Arquivado em família, mídia, memória

Uma volta alternativa pelo futebol europeu

O Mau, guitarra do Fora de Jogo (banda só sobre futebol que eu faço parte) e blogueiro do Santo André no globoesporte.com, acabou de voltar de um rolê da Europa e está escrevendo no outro blog dele, que é totalmente excelente, sobre os rolês boleiros que deu.

O blog por si só já é muito bom, ele conta sua busca pela “lenda das 1000 camisas”, cada dia posta uma camisa da coleção dele e conta a história do clube, da torcida, curiosidades.

Agora com esse rolê na Europa, tá contando algumas coisas também das cidades por onde passou e encontros que teve com jogadores sem querer.

Fora um quadrinho que ele achou por lá cujo personagem principal é um jogador veterano do Barcelona, fantástico!

Leiam clicando aqui, vale a pena.

Deixe um comentário

Arquivado em estádio, mídia, memória, sociedade

Passa Palavra 5

O Passa Palavra continua com seu Especial Futebol e Política.

O texto, dessa vez, é assinado por Tatiana Melim e trata da relação entre mídia e torcida.

Leia aqui.

1 comentário

Arquivado em estádio, mídia, sociedade

O Cruzeiro e o real

Eu não tenho curtido muito o Juca Kfouri, mas esse texto é animal.

Leitura obrigatória!

JUCA KFOURI

O Cruzeiro e o real

Mais que a derrota na final da Libertadores, importa considerar como a decisão foi tratada aqui no Brasil

O BRASIL não é o país do futebol. É o maior vencedor e o maior celeiro, mas mais países do futebol são a Inglaterra, a Argentina, a Itália.
Aqui não se cultiva O JOGO, não se trata o futebol com reverência, não se dá a ele a liturgia que merece.
No máximo é visto como paixão e entretenimento, pois até como negócio é maltratado.
Prova disso, mais uma vez, foi que na maior noite do futebol no continente outras seis partidas do campeonato nacional rivalizavam com a decisão da Libertadores, num desrespeito à grandeza do que acontecia no Mineirão.
E o eixo Rio-São Paulo nem sequer recebeu a transmissão do evento internacional pela TV aberta, algo simplesmente impensável na Europa, na Liga dos Campeões.
É ululante que o torcedor prefira ver seu time em ação a qualquer outro, por mais importante que seja a disputa em que este esteja.
Razão pela qual, em nome do JOGO, há que se tratar de maneira diferente aquilo que é mesmo diferente, raro, que acontece, no máximo, uma vez por ano, quando acontece, no dito país do futebol.
A dor da maioria, a festa da minoria, a primeira apoteose, a virada dramática, os ingredientes todos que fazem do JOGO o mais popular e mais democrático do mundo (só nele alguém com o físico de Diego Armando Maradona pode ser o número 1) deveriam ter sido tratados com o devido respeito, para que as gerações se sucedam na perpetuação de seus vínculos e não apenas como a repetição do ganhar, do perder ou do empatar.
Quem não entende que o estádio tem um quê de templo, que aquele cimento é um território sagrado, que aquela grama é a mais especial que há na face da Terra, não está entendendo nada do que fala a linguagem do JOGO.
São meros burocratas, gente capaz apenas de pensar da mão para a boca, sem nenhuma preocupação com o futuro, porque, afinal, estarão tão mortos amanhã como estão hoje em sua mediocridade.
Quem não viu ou não teve como ver os 90 minutos de tensão disputados por Cruzeiro e Estudiantes na última quarta-feira perdeu a chance de viver com a camisa celeste a angústia de um épico tal e qual teria vivido com as cores do seu time de coração. E perdeu a chance de ser solidário, de ser generoso, de se sentir protagonista de um momento especial na vida do JOGO.
É de se lamentar, enfim, que o pragmatismo do dinheirismo insuflado pela batalha das audiências chegue ao ponto de fazer tábula rasa de momentos sagrados, como uma decisão de copa continental.
Razão pela qual o velho escocês Bill Shankly, saudoso técnico e gerente do Liverpool quando o time inglês dominou a Europa, deve mesmo ser imortalizado pela frase que consagrou: “É claro que o futebol não é uma questão de vida ou de morte. É muito mais do que isso…”.
Um dia, quem sabe, haverá, no Brasil, dirigentes e não cartolas, executivos e não burocratas na administração do JOGO e de tudo que o cerca, para que nunca mais ninguém seja privado de ver o essencial em nome do circunstancial.
Bem diferente, portanto, da realidade de hoje. Oremos.
_________________

Deixe um comentário

Arquivado em mídia, sociedade

Passa Palavra 3 e 4

Fechando o Especial Futebol e Política, o Passa Palavra publicou os dois últimos textos sobre esta intrínseca relação.

O terceiro, “Futebol de Várzea – caminhos de insubordinação”, é assinado por Rafaaa e versa sobre a organização varzeana e seus princípios de solidariedade.

Leia aqui.

O quarto, “O Futebol-Empresa”, é de autoria de Tiago Ripa e é uma análise soberba e substancial sobre os rumos do futebol brasileiro cada vez mais subjugado ao mercado financeiro internacional.

Leia aqui.

Se o Especial termina, no entanto, é só por enquanto. Com a Copa de 2014 no horizonte, não faltarão oportunidades de se discutir futebol e política no Brasil e no mundo.

Que a iniciativa do Passa Palavra, portanto, não definhe esquecida por estes rincões virtuais. Se depender do Vai, Lateral!, estaremos sempre vivos.

E, quiçá, cada vez mais fortes.

Deixe um comentário

Arquivado em mídia, mercado, sociedade

A voz da rua

Manifesto dos Gaviões da Rua São Jorge escrito depois da morte do Clayton em 04/06.

Mostra bem o direcionamento político que estão tomando.

Serão cada vez mais marginalizados.

E aqui, no Vai, lateral!, terão cada vez mais espaço. E colaboração.

Que fale cada vez mais alto a voz da rua!

***

A VOZ DA RUA

Os fatos deviam sempre falar por si. Um bom jornalismo apresenta os fatos e deixa que os leitores, que têm inteligência suficiente para isso, cheguem às suas conclusões. Mas quando a grande mídia apresenta os fatos, já vai logo dando sua versão, não deixando espaço para um julgamento isento de opinião particular, de classe ou de preconceito. A grande mídia são os grandes jornais, as grandes emissoras de radio e TV, e seus apresentadores, que se crêem os donos da verdade e os paladinos da moral.  Não todos, é claro. Mas uma grande maioria. São formadores de opinião que esquecem que de perto ninguém é normal. E que todos os seres humanos têm as suas perversões. Vai saber a vida de cada um. Sempre, um dia, alguma bomba estoura. E muitas máscaras caem. Mas enfim. Não é destes medíocres que vamos falar. Não agora.

O que queremos neste momento é elucidar os últimos fatos relacionados aos Gaviões da Rua São Jorge, e que foram levados á publico envoltos em versões que não correspondem à realidade. Versões que, para além do preconceito, escondem intenções muito mais amplas e maldosas, nesse jogo de bandido e mocinho que jogam os donos do poder deste país, e que faz de nós, torcidas organizadas, risíveis joguetes, numa engrenagem, que mesmo os mais atentos dentre nós, não percebemos com clareza. Também deste jogo de mocinho e bandido, e da criminalização da pobreza, que tem levado ao extermínio os jovens de nossas periferias, não trataremos aqui. Não agora. Lembramos, apenas, que nossos jovens vêm, em sua estonteante maioria, dessas periferias desprovidas, desafortunadas, cheias de medo de não amanhecer, esquecidas das políticas publicas, principalmente para essa juventude. Também das necessidades dessas políticas públicas para a juventude, que sejam capazes de fazê-los acreditar em um futuro mais justo e digno para eles neste país, também não trataremos aqui. Não agora.

Nossa voz se levanta aqui para nos defender das mentiras que foram ditas por uns e veiculadas por outros a respeito dos fatos que ocorreram na quarta-feira, dia 04 de Junho de 2009. Versões alardeadas pelo Sr. Paulo Castilho e pela Sra. Ana Maria Braga. Aquele por maquiavélica inteligência. Esta por pura burrice e desinformação. Aliás, se o Louro José trocasse de lugar com ela, ninguém notaria. Não. Notariam sim. Ele tem mais inteligência do que ela. Ela é que é a papagaia. E aqui paramos pra pensar: Como podemos qualificar o ato cruel de invadir diariamente a residência de milhões de brasileiras pobres, que mal conseguem comprar o arroz, o feijão e a mistura, para torturá-las com receitas, comidas e guloseimas que elas nunca terão acesso? Como qualificar o ato de incitar desejos de consumo a uma população de miseráveis que nunca, nunca vão poder satisfazer-los? Quem é mais quem? Como ser mais você, se tudo na vida de quem é pobre é menos? O que Ana Maria diz diariamente em seu programa é: Olha, todos podem ter acesso a isso: Menos você. Como qualificamos isso? Tortura? Sacanagem? Ignorância? No entanto, D. Ana Maria Braga, se acha no direito de nos chamar de um bando de marginal e vagabundo.

Já a inteligência da perversidade do Sr. Paulo Castilho atende, não sabemos se consciente ou inconscientemente, às necessidades de elitização do futebol, que pede o afastamento dos favelados, dos periféricos, dos negros, dos mestiços, dos pobres, da imensa maioria do povo brasileiro. Porque, não nos enganemos, esse discurso de “famílias afastadas dos estádios”, não se mantém se verificamos a realidade. Ou aquele senhor que eu conheço e que mora na minha quebrada, que foi ao estádio com sua esposa e filha, não é família? A questão é saber de que família estes senhores da moral, estão falando. Não é da pobre e favelada. Mas desses processos de elitização do futebol não trataremos aqui. Não agora.

Faz-se necessário um debate interno dentro do Movimento da Rua São Jorge. Abrir a cabeça dos nossos jovens para o jogo perverso que nos envolve, e se não estivermos atentos, seremos arrastados pelo rolo compressor da mentira e da perversidade daqueles para quem a nossa criminalização só trará benefícios pessoais. Jovens promotores, querendo construir carreiras, se auto considerando, os benfeitores da sociedade. Jovens promotores que desconhecem a vida, o mundo real e a sociedade brasileira. Jovens promotores formados entre quatro paredes, presos a livros e a leis frias, que aplicam como dessem comprimidos para a dor de cabeça. Defensores da lei e da ordem que só beneficiam sua classe social. Pois não é com a sociedade pobre e marginalizada que eles estão preocupados. Mas desses jovens promotores também não trataremos aqui. Agora não.

O momento é de esclarecer a sociedade civil o que verdadeiramente aconteceu na Marginal Tietê. Porque não foi emboscada nenhuma. E olhamos perplexos um mundo de exageros e mentiras desabar sobre nossas cabeças. Condenados sem julgamento. Criticados por todos, sem conseguir expressar nossos sentimentos. Nossa dor pela perda de um irmão. Nossa revolta.

O nosso objetivo aqui será o de  encaminhar a razão e procurar a verdade nos fatos. Recusar todos os preconceitos, não aceitando como verdadeira nenhuma versão que não seja comprovada. Vamos aqui enunciar versão a versão e mostrar o quanto são refutáveis.

Emboscada? Se por emboscada entendemos, e assim nos diz o Aurélio, que é o ato de esperar às escondidas pelo inimigo para atacá-lo de surpresa, Como  pode ter sido emboscada se aquele sempre foi o caminho dos gaviões da Rua São  Jorge? Todos sabem disso. Policia e torcidas adversárias. Não é um caminho que se vai quando se quer se esconder e atacar de surpresa. Ou o jovem promotor não entende nada de ciência militar, ou optou por mentir descaradamente.

Como emboscada se era 1 ônibus contra 13 num terreno pouco favorável a um ato destes? Um ônibus visível até pelos mais míopes. E esse único ônibus trazendo mulheres, crianças e um deficiente, ocupando espaço que poderia ser destinados a outros briguentos. Seria inteligente tirar homens e colocar mulheres e crianças para ir para uma briga?

Tínhamos escolta? Tínhamos. A nossa. Não porque fôssemos os poderosos e não precisássemos da colaboração da polícia, mas porque ela nos foi negada. Sem escolta batemos no peito pra dizer: é com nóis mesmo. Nossa defesa eram nossos punhos. Não tínhamos nenhuma arma. Muito menos a arma de alto calibre que foi veiculada na mídia. Mentira, mentira, mentira.

O fato é que quando chegamos na altura da rodoviária do tietê, três motos da Rocam, aparecem do nada, e nos joga para a direita. Se ela queria aparecer, porque não o fez desde a saída da Rua São Jorge? Após o viaduto das Bandeiras pararam nosso ônibus e carros. E olha a coincidência: “40 segundos” depois passavam os 13 ônibus vascaínos na pista central. E olha a coincidência: eles também foram parados. A rivalidade antiga aflorou, falou mais alto e eles marcharam para cima de nós. E aí já estávamos no meio de uma briga lutando pra se defender. Recuamos no sentido da ponte Tiradentes. Para trás ficaram nossos carros e o ônibus. Até esse momento ninguém tinha sido foi preso. Dos vascaínos ninguém chegou a ser preso. Seus ônibus seguiram tranquilamente para o estádio como se nada tivesse acontecido. E, então, voltarmos para os nossos carros e ônibus, acreditando que seria o mais seguro devido à presença da polícia no local. Eles mesmos disseram que nós tínhamos sido vítimas. Mas coma chegada da delegada Margareth e do jovem promotor, tudo mudou de figura.

Se tínhamos sido vítimas de vandalismo, roubo e morte, se tivemos nosso ônibus depredado, nossos carros destruídos e uma moto incendiada, passamos a ser os vagabundos, os criminosos, os bandidos.

Se somos bandidos porque insistimos em participar e dar nossa contribuição em todas as reuniões do Batalhão?  Mesmo quando a delegada Margareth manda nossos representantes se retirarem da reunião, justificando que somos os Gaviões da Rua São Jorge, que não somos reconhecidos como tal, que não possuímos CNPJ.

Também fomos retirados de uma reunião no Fórum com o Promotor, o Secretário do Ministro e todas as outras torcidas organizadas. Não nos identificaram como Rua. Quem vive na rua vive ao relento. Sem voz, nem vez. É assim a nossa sociedade.

Se somos bandidos porque insistimos em pedir escolta? De início fomos atendidos. Mas logo começou o boicote.  Inclusive de outras torcidas. Inclusive de parte da nossa torcida. Na rua é assim: cada um por si e Deus por todos.

Estão todos esses fatos e essa versão de emboscada desconectados um dos outros? São fatos isolados? Não se vê nessa forma de agir contra os Gaviões da Rua São Jorge uma certa lógica?

Sabemos que nos envolvemos em brigas. Sabemos que isso não leva a nada. Como sabemos, por experiência, que à medida que a idade vai chegando, esses pensamentos vão mudando. E nós mesmos, olhando em retrocesso o nosso passado de brigas, dizemos aos mais jovens, que isso é besteira, que não dá futuro a ninguém. Mas futuro, nenhum periférico tem nesse país. Então que diferença faz? O jovem se pergunta. E aí já não sabemos mais responder. Não somos sociólogos nem psicólogos sociais. Simplesmente nascemos dentro de uma realidade brasileira, de um contexto, de uma formação social que nos é adversa. Somos formamos nela. E respondemos tentando sobreviver a isso. Mantendo nossa sobrevivência psíquica em tempos de crise civilizatória. Sabemos, sim, que apesar das confusões que causamos, não somos bandidos, como querem fazer a sociedade crer. Não somos terroristas, que é o medo da moda desde o 11 de Setembro. Não somos delinqüentes nazistas que matam negros, nordestinos e índios. Somos periféricos que brigam com periféricos. E que nesse brigar, infelizmente, para nosso pesar e tristeza, morre, ás vezes, um jovem. Aí somos pobres matando pobres. É justamente aqui que riem de nós. E pensam: Isso! Matem-se. Mostrem à todos, quem vocês são de verdade. Vagabundos. Marginais. Bandidos. Se vocês são ou não são, isso não nos interessa. O que não queremos é que um bando de loucos estejam organizados. E que um dia, deixem de brigar e invadam câmaras e senados brigando por educação, igualdades e direitos. Pois é para isso que queremos caminhar. Que a cobrança por títulos para o Todo Poderoso Corinthians venha acompanha de outras cobranças, lutas e conquistas sociais e humanas. Que os Gaviões da Rua São Jorge possa contribuir verdadeiramente para a higienização do futebol, ocupando as salas e pondo os cartolas contra a parede. Em nome da nação Corinthiana, em nome da nação brasileira. Os Gaviões que se juntaram na Rua São Jorge, querem e vão brigar para construir um novo modelo de torcida. A cada dia com seu nível de consciência mais elevado, a cada dia mais organizada.

Mas aqui tem um bando de loucos, sim. Loucos por ti Corinthians. Loucos por ti minha quebrada. Loucos da rua. Porque a rua ensina e mostra ao homem a sua verdadeira dimensão. Porque a rua é do tamanho do mundo. A rua é o mundo. E o homem é do tamanho de uma pedra miúda. E, aqui, deixamos para todos nosso recado final: CNPJ? CNPJ é a rua mané. Nela, é nóis que tá.

Movimento Gaviões da Rua São Jorge.

3 Comentários

Arquivado em estádio, mídia, sociedade