Arquivo da tag: Pacaembu

Fotos da Zica

Aí está a Zica, a gatinha que eu encontrei domingo no Pacaembu.

3 Comentários

Arquivado em estádio, família

A Zica do Pacaembu

Domingo, saindo do Pacaembu com uma amiga com a cabeça cheia pela goleada sofrida, coisa que há muito não via acontecer em casa, reparamos num amontoado de gente apontando pra um cantinho junto à parede. Passo olhando pra ver o que é e qual não foi minha surpresa ao constatar que havia um pequeno gato acuado junto a uma dobra no muro.

Agachei e tentei tocá-lo, mas o bichano estava com muito medo e tentava me atacar. Aos poucos, fui ganhando sua confiança, e fiquei ali uns bons 15 minutos sentado no chão fazendo-lhe carinho. Enquanto isso, esperava o estádio esvaziar e protegia o pequeno animal da curiosidade de crianças pequenas – que poderiam facilmente ter tomado uma bela unhada – e de marmanjos e donzelas que exprimiam, cada qual a seu tom de voz, “oooooooun, um gatinho”.

Uma delas, inclusive, alertou para o fato de que provavelmente era uma gatinha, uma vez que tinha três cores e machos com três cores são raríssimos. Pedi a minha amiga para encontrar uma caixa de papelão em alguma das lanchonetes do estádio e, com o Pacaembu já quase vazio, me arrisquei para pegar a gatinha pelo cangote e colocá-la na caixa.

Rumando com a bichana em direção ao último portão aberto do estádio, disse à minha amiga:

– Essa já tem nome: Zica. Tirei a Zica do Pacaembu.

Cheguei em casa com minha nova companheira e tive que trancá-la no banheiro, uma vez que não sabia a reação que teriam Branca e Boquita, as gatas, e Preta, a cachorra que já tenho por aqui. Tratei de arrumar-lhe uma caixinha com pano, comida, água e um pouco da areia das outras gatas, e fui ao computador ver se encontrava algum amigo veterinário online para umas dicas.

Nesse meio tempo, nenhum veterinário online, consegui, mesmo sem ter a intenção definida de doá-la, duas potenciais donas para a Zica. E já planejava o atraso no trabalho no dia seguinte para levá-la ao veterinário.

Só que, como todo torcedor apaixonado está cansado de saber, zica não se controla tão fácil assim.

Do quarto, ouvi um barulho na área e fui ver o que passava. Era ela.

Tinha forçado o trinco quebrado da janela do banheiro, a qual eu tinha deixado meio aberta para que entrasse ar, e fuçava pela área amedrontada pela Preta, que não queria mais do que cheirá-la, e pela novidade do lugar desconhecido.

Me aproximei e a Zica pulou na janela. Como já tenho animais em casa, entretanto, as janelas tem rede. Mas Zica é pequena e esguia e se enfiou entre o vidro e a rede propriamente dita. Tive que abrir a janela para tentar pegá-la, e com o movimento, por mais que eu tenha me esforçado em ser sutil, ela se assustou e passou a cabeça pela rede. Ao sentir-se presa, forçou o resto do corpo e foi-se telhadinho afora. Entrou pela janela do depósito da loja de peças automotivas que fica ao lado do meu prédio, a única saída possível daquele telhado.

Aborrecido, dormi mal, pensando apenas em bater na loja ao lado no dia seguinte pela manhã na esperança de reaver a Zica. Não poderia deixá-la correndo o risco de retornar às ruas – vai que ela volta pro Pacaembu…

Mas pela manhã descobri que o depósito tinha trocentas caixas e que a Zica provavelmente estaria perdida ali no meio. Deixei meu telefone e fui trabalhar. Só conseguia pensar na pobre gatinha assustada.

Quase no final do expediente, meu telefone toca e, pela primeira vez nas últimas 6 ligações, não é minha mãe: é o porteiro do prédio dizendo que encontraram a Zica, mas que esta fugiu de volta pro telhado e se enfiou numa caixa d’água abandonada.

Voei pra casa para ver aonde tinha se enfiado a gatinha e constatei que dali era impossível tirá-la. Por onde entrara não cabia um corpo humano, nem o meu, magro que sou. E me resignei a esperar que saísse, talvez retornasse à loja, e finalmente fosse capturada.

Até que a amiga que encontrou a Zica junto comigo ligou e disse que sua mãe tinha uma armadilha para gatos. Consistia numa gaiola em que jazia dependurado um pequeno gancho onde se podia prender um pedaço de carne de modo que, quando o gato o mordesse e puxasse, a gaiola se fecharia. Içei a armadilha terraço do prédio abaixo até o telhadinho e deixei ela lá.

De 17h30 até 22h ouvia a gata miar. Devo ter incomodado o porteiro pedindo para entrar no porão do prédio, onde ela dificilmente estaria mas podia estar, umas quinze vezes, e nada. De 20 em 20 minutos olhava pela janela e a carne estava lá, pendurada. Precisava me distrair.

Fui ver televisão, entoando mentalmente como se fosse escanteio para o adversário no Pacaembu:

– Sai, Zica! Sai daí!

Até que, telefone em punhos, enquanto conversava com uma amiga aniversariante*, vejo a Preta correr até a área e escuto um miado mais forte. Fui olhar e era a Zica: tinha caído na armadilha!

A fome havia vencido o medo da bichana, assim como a fé da torcida (quase) sempre vence as cabeçadas à meta de nosso arqueiro durante os jogos.

Subi com ela de volta ao banheiro e dessa vez fechei bem a janela. Não só a de lá mas todas as da casa. E tratei de alimentar a danada, que com a comida ficou um pouco menos arisca e até me deixou pegá-la no colo.

Ainda não sei se vou ficar com ela, vai depender da aceitação do resto da população animal que comigo habita. De certa forma seria interessante que fosse domada e por aqui ficasse. Conviver com a Zica antecipadamente seria um bom treinamento prévio para a Libertadores 2010. Mas caso não dê certo, com certeza a gatinha irá para as mãos de alguma companheira de arquibancada, das duas que já se interessaram pela bichana.

Porque com a Zica, você sabe, tem-se que ter muito cuidado.

Ainda mais às vésperas do centenário.

E ninguém melhor pra cuidar da Zica do que quem já está mais do que acostumado com isso, anos e anos fazendo parte da massa sofredora que não à toa é conhecida a todo lado por Fiel Torcida.

***

*A Zica do Pacaembu, em homenagem à aniversariante Renata, que comigo falava ao telefone quando a bichana finalmente caiu na armadilha, levará seu nome como sobrenome. De forma que nos próximos jogos, no lugar do “sai, zica!” de sempre, gritarei com toda a certeza do mundo de que a bola irá pela linha de fundo:

– Sai, Renata!

34 Comentários

Arquivado em estádio, família

A farsa chamada Paulo Castilho

(por Thomas Castilho)

 

Esse promotor deveria saber. Tivemos que engolir durante anos um tal de Fernando Capez. Sujeito arrogante, louco para aparecer nos jornais e sem nenhum conhecimento de causa. Agora vem mais um tripudiar em cima de cada morte em busca de um sucesso esporádico, passageiro, que certamente vai se transformar em pesadelo. 

Primeiro aos fatos. Por que Paulo Castilho é mentiroso?
Porque não houve emboscada, palavra que jornalistas adoram, mesmo que fora de contexto. Houve um encontro casual na Marginal. Não houve emboscada por motivos simples. Se houvesse, estariam presentes não apenas mulheres e integrantes da torcida que moram na zona Leste, mas todos aqueles que se dispõem a guerrear dentro dessa lógica louca que move as torcidas do Brasil. Esses em sua maioria estavam no Pacaembú, direto do trabalho, sem nenhuma intenção que não fosse assistir ao jogo do Corinthians. E, de fato, quem parou o ônibus da torcida do Corinthians foi a polícia, e os ônibus do Vasco foram parados logo atrás, também pela polícia. Mais do que isso. Um ônibus com mulheres para enfrentar 15 ônibus de torcedores vascaínos que vieram para um jogo de risco, como é o caso, foge à lógica simples de qualquer conflito. E se a Polícia Militar se RECUSA a oferecer escolta, os torcedores buscam meios para isso, do jeito que for possível. Quando são brigas premeditadas todos que estão presente sabem dos riscos que correm, e, se respondem com o corpo rasgado, braços quebrados, dentes perdidos, pontos na cabeça ou na forma da lei, é opção deles. Na quarta corinthianos lutaram pelas suas vidas. Na proporção de 10/1. Os que serão acusados de formação de quadrilha são inocentes nesse caso, e se não tivessem lutado poderiam agora estar juntos ao Cleyton. O promotor discursa como se tivesse inventado a roda ao dizer que “descobriu” que a torcida do Vasco viria para a sede da torcida do Palmeiras em São Paulo. Parabéns promotor, você descobriu o que a Força faz há 20 anos. E ainda confundiu as coisas, já que não existe problema em torcidas desenvolverem relações cordiais. Se não fossem amigos seriam inimigos. O problema é outro. É ter uma trabalho de inteligência BURRO. Que não permite que uma torcida receba a outra e que não monitora os movimentos daqueles que poderiam se envolver em conflitos. Melhor se a Força tivesse ido para a Mancha, como sempre fez, e o trabalho da polícia e do tal promotor fosse bem feito. Mais do isso. Ele elogia o trabalho da polícia incompetente, incapaz de poupar seus próprios esforços. Os policiais que deveriam escoltar os ônibus da torcida do Vasco não deram conta de segurá-los. E não enviaram uma única moto para a Rua São Jorge para escoltá-los. Um único policial, com uma moto e um rádio seria capaz de ter evitado o ocorrido. Uma simples comunicação seria capaz de de desviar os caminhos e evitar o encontro. Mas o que acontece? O que está por trás? A POLÍCIA E O TAL PROMOTOR NÃO RECONHECEM A RUA SÃO JORGE COMO TORCIDA. É piada? Se inspiraram em Israel e no Hamas? Um cidadão que outro dia descobriu que as torcidas existem e rendem fama não reconhece torcedores que há mais de 20 anos viajam pelo Brasil inteiro acompanhando o Corinthians!!! Pasmem. Eles escolhem quem deve e quem não deve ser reconhecido. Mas quem se responsabiliza pela morte de mais um trabalhador? Sim, intergrantes de torcida em sua grandíssima maioria são trabalhadores com carteira assinada, residência fixa e que deveriam ser tratados de outra forma. O conflito entre as torcidas do Vasco e do Corinthians é antigo. As primeiras estórias que chegam aos nossos ouvidos versam sobre um jogo em 1987 em São Januário, em que corinthianos passaram aperto para conseguir assistir ao jogo naquele estádio. Depois de lá, um único momento de diálogo em 1994, num jogo também em São Januário. Mas muito mais conflitos, pedradas, roubo de bandeiras, tiros e outros incidentes. O pseudo-promotor deveria se atentar a isso, não à relação de cordiallidade entre a Mancha e a Força. Deveria se preocupar em escoltar todos os que poderiam se envolver em um conflito. Deveria promover o diálogo, o entendimento, a paz. Entender as razões por trás da loucura e tentar desmontá-la. É tão incompetente quanto a polícia militar, que (rir para não chorar)  não reconhece a Rua como torcida, por não ter CNPJ. Se aqueles não são torcedores organizados, queria saber quem é! Dessa vez foi acidente, casual, não-intencional, não-premeditado. O que ocorreu foi graças ao fato de existir um longo histórico de conflitos entre as torcidas. Que foi ignorado em nome daquilo que essas pessoas desqualificadas acreditam ser verdade, de maneira arrogante, sem diálogo, sem respeito. A morte de quarta-feira deveria ter sido evitada e a responsabilidade é de um trabalho ignorante e preconceituoso. Agora a geração de torcedores do Corinthians que vivenciou esse episódio continuará se armando para as próximas batalhas, porque para quem acompanha seu time Brasil a fora a realidade é essa, cruel, mas desse jeitinho. A falta de vida inteligente dando as cartas em um problema tão sério me deixa desesperançoso quanto ao futuro. Mais repressão, mais violência, torcedores na cadeia ou leis estúpidas. Vai querer jogo de uma torcida só para jogos entre times do Rio e de São Paulo, promotor? Vai assinar embaixo a incompetência do Estado em dar segurança aos torcedores e fechar as arquibancadas? É esse o seu trabalho? É muita desqualificação, isso sim. Eu acuso Paulo Castilho e a Polícia Militar de São Paulo. Fora tratante, volta Coronel Resende!

Thomas Castilho

4 Comentários

Arquivado em estádio, mídia, sociedade

Ainda sobre a morte de Clayton

Texto brilhante da Lelê, uma aula de jornalismo decente:

http://revistatpm.uol.com.br/blogs/eneaotil/2009/06/04/o-papel-de-cada-um.html

Texto do Cláudio sobre o promotor Paulo Castilho:

http://chutaquiehmacumba.blogspot.com/2009/06/promotor-golpista.html

Deixe um comentário

Arquivado em estádio, mídia, rivalidade, sociedade

Quando a política e a burocracia valem mais que a vida

Ontem, 03 de junho de 2009, Corinthians e Vasco decidiram no Pacaembu uma das vagas à final da Copa do Brasil. Ontem, 03 de junho de 2009, na Marginal Tietê, mais um torcedor foi vítima da violência que permeia não só o futebol, mas toda a sociedade. Uma violência que as capas de jornal e as telas de TV não demoram em taxar de “irracional”, “gratuita” e “criminosa”, no que até chegam a ter razão em alguns momentos, mas que nunca buscam explicar e compreender na esfera que diz respeito ao que mais importa: a segurança da vida dos torcedores de futebol.

A informação oficial do promotor de justiça Paulo Castilho e do major da Polícia Cipriano Rodrigues, responsáveis pela segurança no jogo de ontem (e no caso do promotor, pelas políticas de segurança relacionados a jogos de futebol em São Paulo), segundo o jornal Lance! de hoje, é de que “15 ônibus com cerca de 800 cruzmaltinos chegaram pela Rodovia Presidente Dutra. Na altura de Guarulhos, eles foram acompanhados por 20 policiais militares de moto”.

Paremos neste ponto. Não é preciso ser um gênio da matemática para perceber que 20 policiais são mais do que insuficientes para fazer a escolta de 800 torcedores. Ainda mais quando, segundo o próprio promotor, sabia-se da intenção de emboscada entre as torcidas, graças à denúncia anônima que ele mesmo recebeu e por conta da qual impediu os vascaínos de deixarem seus ônibus nas sedes de TUP e Mancha Alviverde, torcidas do Palmeiras aliadas às vascaínas. A idéia dos cariocas era ir a pé ao estádio. Paulo Castilho disse à Polícia para não permitir e ordenou a escolta dos ônibus até o Pacaembu.

No caminho, voltando ao texto do Lance!, “eles acessaram a Marginal do Tietê e, quando chegaram à Ponte das Bandeiras, Zona Norte de São Paulo, cruzaram com quatro carros e um ônibus de corinthianos. De acordo com o major Cipriano Rodrigues (…), os vascaínos conseguiram se desvencilhar da escolta. Tiros e pedaços de paus foram usados no conlfito”.

Não bastasse o absurdo que é não perceber o possível cruzamento entre ônibus de torcidas rivais na Marginal Tietê, via mais do que conhecida de acesso ao estádio, faltou ao comandante contar um pouco mais sobre que ônibus e que carros de corinthianos eram esses, e explicar melhor como os integrantes das torcidas chegaram ao confronto.

Fora o já sabido número ridículo de policiais na escolta vascaína, há muitos outros problemas que levaram ao assassinato do torcedor. Comecemos pela própria escolta. Como a Polícia leva 15 ônibus de torcedores até o estádio sem fazer uma revista em seu interior? Se esta foi feita, como não foram descobertas as barras de ferro, pedaços de pau e armas de fogo utilizadas no confronto? Descaso? Despreparo? Ou a mesma falta de entendimento dos torcedores organizados enquanto um coletivo que tem representação social e jurídica perante à sociedade e o tratamento dos mesmos enquanto bandidos e animais a priori, fazendo com que a minoria violenta ganhe o apoio da maioria não-violenta exatamente por esta se sentir mais segura com a segurança pessoal dos próprios companheiros na base da arma de fogo do que com a segurança que deveria ser provida pela Polícia? Qualquer semelhança com a relação entre moradores de periferia e traficantes que “protegem” a comunidade não é mera coincidência; qualquer relação com o resultado do plebiscito sobre o porte de armas de fogo realizado anos atrás, também não.

Além disso, a Polícia credita aos torcedores corinthianos a intenção da emboscada, por ter encontrado com estes as já citadas barras de ferro e armas de fogo. Os mesmos 60 e poucos que vinham em um ônibus e quatro carros e que foram presos após o confronto pelo porte das armas e por tentativa de homicídio, juntos aos vascaínos envolvidos. Agora, dá mesmo para acreditar que 60 e poucas pessoas buscavam emboscar 800? Ou será que é mais fácil omitir informações sobre essas 60 pessoas? Como aqui a intenção é contextualizar ao invés de pintar um cenário apocalíptico e irracional como de costume, vamos a elas.

A pequena caravana corinthiana era composta por membros do Movimento Rua São Jorge. Um grupo de associados da Gaviões da Fiel que se indignou com algumas práticas às quais são contrários na quadra da torcida – como corrupção – e passou a se encontrar na Rua São Jorge para ir aos jogos. Grupo esse que conta com diversas lideranças importantes da Gaviões e que, entre outras coisas, promoveu um seminário sobre torcidas organizadas envolvendo jornalistas, políticos e torcedores buscando colocar as torcidas como o que deveriam ser, representantes do torcedor no mundo do futebol, a lutar contra o preço dos ingressos e a condição indigna a que são submetidos jogo a jogo, por exemplo. Em outras palavras, lutam para serem entendidos e respeitados como um movimento social, e não meros consumidores.

Iam ao jogo de ontem, como sempre, sem escolta, porque a Polícia Militar simplesmente não os reconhece enquanto torcida – apesar de serem sócios ativos da Gaviões da Fiel – já que não tem CNPJ. Enquanto um grupo pequeno em relação aos “bondes” já estabelecidos há tempos por todas as outras organizadas, e por concentrarem várias lideranças da Gaviões, são sempre alvo de ataques e emboscadas – muitas já denunciadas pela mídia afora. Algo que a Polícia e a Secretaria de Segurança Pública preferem ignorar burocraticamente – até que coisas como o que passou ontem aconteçam. E aconteçam, neste caso, porque a Polícia parou os corinthianos para revistá-los a uma distância de 100 metros dos vascaínos, segundo um torcedor que estava no ônibus corinthiano. Além da completa falta de comunicação e planejamento, se fez presente como sempre o descaso com o torcedor organizado, tratado como lixo, e com a vida – o que infelizmente não é de se estranhar quando estamos falando da mesma Polícia que protagonizou cenas como o massacre do Carandiru. A organizada, transformada em sujeito, atravessa a própria condição dos sujeitos pertencentes a ela, que não são mais pessoas, apenas números e nomes na lista de envolvidos e mortos.

Não se justifica encontrar entre torcedores que vão a um estádio de futebol barras de ferro e revólveres. Mas a explicação para isso não é simplesmente algum tipo de vontade sociopata de matar presente em todos eles. Cada vez mais, as políticas em relação aos estádios vão no sentido de isolá-los, excluí-los, elitizar as arquibancadas e passar a imagem do estádio enquanto um ambiente seguro e tranquilo a ser consumido – por quem pode pagar R$ 4,00 num simples churros e ir a jogos às 21h50 de uma quarta-feira. O problema, que as autoridades terão de enfrentar em algum momento, é que o jogo não se resume – nunca se resumiu – ao espaço do estádio. O futebol está presente por toda a cidade, ainda mais em dias de jogos, e tentar reduzí-lo ao estádio não é um risco, é uma opção política, uma orientação que tem o mesmo sentido daquela que permite a certos grupos espancar e matar moradores sem-teto no centro da cidade, e retirá-los de prédios ocupados usando de força desmedida, mesmo contra mulheres, crianças e idosos.

Hoje, há dezenas de pessoas hospitalizadas, algumas com ferimentos a bala. E como já se sabe amplamente, uma pessoa, ainda não identificada, foi espancada até a morte e deixada na Praça Campos de Bagatelle, palco recente da comemoração de títulos conquistados pelos clubes paulistanos. Apenas de cueca, sem documentos e com o rosto completamente desfigurado. Uma estratégia comum no mundo do tráfico de drogas – assim como o incêndio do ônibus vascaíno em represália acontecido durante o jogo, que não se compara em nada à morte do torcedor – a destruição de um patrimônio material nunca é mais importante do que a perda de uma vida. E os meios de comunicação, como sempre, noticiarão o caso em sua maioria como uma simples briga de gangue, darão voz aos que querem o banimento das torcidas organizadas, aos jogos de uma torcida só – os mesmos que não sabem, ou fingem não saber, que o São Paulo x Corinthians da primeira fase do Paulistão, aquele em que vigorou pela primeira vez a restrição de 5% às torcidas visitantes, registrou número recorde de ocorrências pela cidade desde aquele São Paulo x Palmeiras pela Copa São Paulo de Juniores em que um torcedor foi morto a pauladas dentro de campo – cena repetida milhões de vezes pelos canais de televisão até hoje.

Em 2014, o Brasil sediará uma Copa do Mundo. São Paulo, provavelmente, será o palco da abertura e, com certeza, de diversos jogos importantes. Até lá, como estarão as medidas de segurança pública em dias de jogos? E a condição dos torcedores, organizados ou não? Caminharemos para o mesmo destino do Rio de Janeiro, com seu Pan-Americano que retirou moradores de rua às pressas para a vistoria do COI e que deixou de herança elefantes brancos, construídos com dinheiro público, prestes a serem prrivatizados a preço de banana? Ou há força suficiente para nos organizarmos por uma Copa que seja realmente nossa, da qual façamos parte, sobre a qual sejamos consultados – como deveríamos ser sempre quando se trata de medidas de segurança pública?

Se a mídia, que tem o dever de informar, quase sempre não o faz com a clareza e a crítica necessária, que ao menos textos como este e ações que sigam na direção de acabar com as mortes e a exclusão social sejam difundidos de todas as formas possíveis. Se ele chegou até você, leia. Pare, reflita, critique, encaminhe. Que começemos a criar, de todas as formas ao nosso alcance, um fórum de discussão sobre estes assuntos. Dizem respeito às nossas vidas. E podem determinar, como ontem, a nossa morte um dia.

Que, a partir de hoje, nenhum episódio sequer de violência passe despercebido e sem ser denunciado no seu conteúdo total. É este o desejo de quem escreve este texto. Porque escrever é muito mais do que saber juntar palavras – ainda mais quando se ganha pra isso.

Kadj Oman
DHVCorinthians

04/06/2009

2 Comentários

Arquivado em estádio, mídia, rivalidade, sociedade

Pa(i)caembu

As primeiras lembranças que tenho do Pacaembu me colocam ao lado de meu pai, num Corinthians e Novorizontino, no Tobogã. 

Tobogã, aliás, que se tornou o palco de muitas idas. Contra Santos, Inter, Bragantino, Ponte Preta, Atlético Mineiro, Flamengo e até mesmo o São Paulo, uma vez.

Do Pacaembu guardo também na memória minha entrada em campo como mascote, em 1991, quando o primo de minha mãe, doutor Léo Vilarinho, então médico alvinegro, me levou ao vestiário, onde conheci os jogadores, tirei fotos (perdidas numa enchente da casa em que morava em Pirituba, ainda nos anos 90), entrei de mãos dadas com Ronaldo e depois subi às numeradas pra encontrar a família e assistir o jogo.

Lá, lembro claramente de virar para meu pai, quando Neto ia bater uma falta do meio da rua, e dizer:

– Pai, vou descer um pouco pra ver essa falta.

Neto ouviu, e meteu a pelota no ângulo, inapelável pro goleiro.

Nos anos 2000, já adolescente, o Pacaembu virou minha segunda casa. De início com meu pai, depois sem ele, já doente. O último jogo que vimos juntos no estádio foi Corinthians 3 x 0 São Caetano, nas cadeiras laranjas, pelos idos de 2006, campeonato Brasileiro.

Então meu pai se foi, em 25 de janeiro último, e ficou impossível ir pra casa (qualquer uma delas) sem lembrá-lo.

Nas arquibancadas, qualquer uma delas, estava ele, pulando comigo, comprando refrigerante, gritando com o juiz, empurrando o time.

E do gramado, como quem corresponde ao apoio, vinham os gols, todos devidamente comemorados com um beijo na tatuagem que leva a imagem dele.

Se havia outro lugar para além do mar, onde esparzimos parte de suas cinzas, em que ele precisava estar para ser eterno, era ali.

dsc02949

Então ontem, sem bola rolando, voltei ao estádio. 

Com meu pai, como sempre.

Mas dessa vez para espalhar a outra parte de suas cinzas num espaço onde, tenho certeza, estarei sempre.

Entrei em campo e pude constatar que Eduardo Galeano estava certo: nada é mais triste que um estádio vazio.

Mesmo que em minha alma ele estivesse cheio, transbordando, de lembranças e sentimentos.

Ali, sozinho em minha própria multidão, ajoelhado junto ao mesmo banco de reservas onde se sentaram tantos ídolos nossos, dei um último suspiro e deixei meu pai pousar junto às flores do pequeno canteiro que por ali floresce.

dsc02969

Para poder orientar o time junto ao técnico, como fazia das arquibancadas ou em frente à televisão.

Para gritar “vai, lateral”, “tira daí”, “toca essa bola”, “chuta! chuta! chuta!”.

Para sorrir com os golaços e chorar com as derrotas doídas.

Para fazer para sempre parte deles.

Levantei-me, então, e reproduzi a mais silenciosa versão já não-ouvida do hino do Sport Club Corinthians Paulista.

E deixei o gramado, sem vaias nem aplausos.

Sabendo que de hoje em diante, sempre que o placar eletrônico do Pacaembu anunciar o público presente, contarei em minha cabeça mais um.

Porque o vento pode tentar, pode pedir a ajuda da chuva, implorar pelos efeitos do sol; nada adiantará.

Meu pai estará sempre ali.

Eterno.

Como sempre foi.

dsc02971

2 Comentários

Arquivado em estádio, família

Rumo ao cemitério

Cerca de 9.000 pessoas (8.988, pra ser mais exato) assistiram ontem à Corinthians 2 x 0 Mogi-Mirim pela 7ª rodada do Campeonato Paulista 2009.

Um número ridículo em se tratando da maior torcida do estado.

Mas que se explica quando analisadas as condições em que o jogo foi realizado.

A começar, como sempre, pelo horário: 22h de uma quarta-feira. Estávamos nós assistindo a algo impróprio para menores? Cine Privê? O futebol tornou-se tão indecoroso que necessita ser jogado nas últimas horas do dia? 

Não. 

Acontece que quem determina o horário dos jogos não é a equipe mandante, nem a Federação, quem dirá os torcedores. Aliás, o horário e o local. Refém de seus patrocinadores, o futebol acontece na hora e lugar em que a televisão mandar. O estádio estará vazio porque a imensa maioria dos torcedores de futebol trabalha na quinta pela manhã? Sem problemas, é só comprar o pay-per-view.

Que só é mais caro, aliás, que o próprio ingresso no jogo. No Pacaembu, a arquibancada atrás do gol nos jogos do Corinthians só custa R$ 20,00 porque o clube diz “ainda não ter estrutura” (leia-se que sofre pressão das organizadas) para cobrar os R$ 40,00 que gostaria. A arquibancada central custa R$ 70,00, a cadeira descoberta R$ 100,00 e a coberta, R$ 150,00. E na ânsia de lucrar, o Alvinegro atira no próprio pé: segundo a Folha, dos quatro grandes paulistas, é o único que teve a arrecadação diminuída em relação ao ano passado, quando os ingressos eram mais baratos.

O atentado violento ao torcedor não pára por aí. Em nome da diminuição da violência, os estádios vão sendo transformados arquitetonicamente em ambientes prisionais – emblemático, portanto, que o comandante do espetáculo seja um Coronel aposentado. 

Não se permitem bandeiras, camisas, fogos de artifício, restringem-se os lugares de acesso para as organizadas. Grades, lanças, vidros à prova de bala. O fim das barraquinhas de lanches e bebidas no entorno. A proibição da cerveja, objetificando-se nela a culpa por uma cidade segregadora em todos os seus espaços. Até o jornal, esta perigosíssima arma,  está proibido de entrar. Trata-se o futebol como uma doença cujos sintomas precisam ser amenizados. Ou melhor, trata-se o estádio como se fosse um teatro ou um cinema, onde os espectadores devem permanecer em sepulcral silêncio como forma de provar um comportamento “civilizado” e aceitável. 

O merecimento em estar ali passa por provar que é capaz de parecer não estar. E o espetáculo, com isso, vai perdendo um de seus principais atores.

Como disse Mano Brown em entrevista à Benjamin Back, se você tira tudo do torcedor e ainda abusa dele com preços altíssimos por um serviço péssimo (vale lembrar que dentro do estádio um mísero churro, por exemplo, daqueles que você encontra por R$ 0,50 no centro de São Paulo, e ainda por cima frio, é vendido por absurdos R$ 4,00), não pode esperar muita coisa dele, que tem ali o seu desafogo para todos os constrangimentos que sofre pela cidade durante a semana, para além de raiva e violência. Que, muitas vezes, canalizadas na mente de quem já não tem lá muito bom senso, terminam em atos deploráveis. 

O que se esconde, na verdade, por trás disso tudo é a tentativa, brasileira como sempre, de modernizar de forma conservadora uma prática social: à força, encurrala-se quem já não tem muito direito a nada, para depois culpá-lo pelas tragédias ou pela “incapacidade” de participar e, assim, cria-se um jeito de afastá-lo do bolo. Como foi com os cinemas, todos confinados em shoppings centers e longe de serem populares, e com o Carnaval, funcionalizado num sambódromo e transformado em espetáculo para gringos.

Ao se pesar tudo isso, a tristeza inicial de ver o estádio às moscas se transforma parte em raiva, indignação, parte em uma certa satisfação pelo fracasso nas bilheterias. Fôssemos mais organizados enquanto torcedores e os estádios (e pay-per-views) ficariam vazios enquanto não nos respeitassem. 

Enquanto isso não acontece, contam-se os dias para a Copa do Mundo no Brasil, aquela pela qual toda a população, mesmo os mais receosos, anseia.

População cuja imensa maioria assistirá todos os jogos pela televisão.

Porque até 2014, os estádios, então arenas multi-uso apropriadas para diversos abusos e não-usos (uma vez que usar algo implica em ter acesso irrestrito a este algo), terão completado seu caminho rumo ao cemitério.

Pelo menos para nós, torcedores que conheceram o futebol quando ele ainda era, essencialmente, muito mais um jogo do que um imenso balcão de negócios.

4 Comentários

Arquivado em estádio, ingressos